Avançar para o conteúdo principal

DESPORTO: "ENTREVISTA COM Tiago Machado - Ciclista da Efapel" (CICLISMO)

 Esta semana recebo mais uma personalidade portuguesa ligada ao ciclismo, aqui no blogue. Quando dediquei o mês de outubro a esta modalidade, estava longe de saber a influência cada vez maior que passaria a ter nos portugueses. De resto, e falarei neste tema noutro artigo, vamos para a entrevista ao ciclista da Efapel, Tiago Machado, ao qual agradeço desde já a disponibilidade!

 1. Qual foi a motivação para ser ciclista? Quais as primeiras memórias da modalidade?

A motivação acho que se deve ao facto de eu gostar de andar de bicicleta e as minhas primeiras memórias são de ver a Volta a Portugal, o Giro d'Italia, Tour de France e Vuelta na RTP.

 

2. Qual foi o momento da carreira em que sente que aprendeu mais e/ou que esteve ao mais alto nível?

Estamos todos os dias a aprender, nunca iremos saber tudo. Mas o primeiro ano de ciclismo além-fronteiras aprendi muito, principalmente taticamente, pois vinha de Portugal que tem uma maneira muito peculiar de correr.

 

3. Tem sentido o apoio de Portugal? De que maneira é que acha que o país vive o ciclismo nesta altura?

Claro que nem todos gostam de ciclismo, mas os que gostam apoiam-nos muito diariamente. A redes sociais vieram tornar tudo mais simples e é agradável receber mensagens de quem nos apoia a incentivar-nos!

 

4. Não foi fácil para muitos ciclistas, e foi uma questão mesmo complicada para alguns. Como é que que viveu a fase do confinamento, enquanto atleta?

Não foi fácil para ninguém, mas nos atletas profissionais não nos podemos queixar porque nunca nos foi impossibilitado sair para treinar, mas como temos bom senso evitávamos saídas “estupidas” como por exemplo os dias de chuva.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

DESPORTO: "ENTREVISTA COM Daniel Viegas - Ciclista na Kometa" (CICLISMO)

 Mais um artigo, mais uma entrevista neste mês de "Outubro com Pedais". Hoje, falamos com o ciclista português da Kometa, Daniel Viegas, um dos atletas nacionais no estrangeiro na área do ciclismo. Vamos perceber a realidade do Daniel , nesta equipa sub-23 espanhola, bastante conhecida! 1. Qual foi a motivação para ser ciclista? Quais as primeiras memórias da modalidade? O meu pai foi ciclista, mas no campo amador foi ele que me pôs o bichinho do ciclismo. Comecei no BTT Loulé e foi aí que ainda tive as minhas melhores memórias dentro do ciclismo. 2. Como é trabalhar na Kometa ? De que forma isso influencia o seu crescimento pessoal e/ou enquanto atleta? É sempre bom estar numa equipa que projeta corredores para o mais alto nível, estou nesta equipa desde que comecei o ciclismo mais a sério desde o 1 ano de sub 23 e para mim é a equipa perfeita. 3. Tem sentido o apoio de Portugal? De que maneira é que acha que o país vive o ciclismo nesta altura? Apoio de Portugal

CULTURA: "OPTO - Inovar e Adaptar"

A cultura está cada vez mais a evoluir num sentido abrangente, e a qualidade é exigida pelos consumidores, dia após dia. A este facto, acresce a necessidade constante das novas gerações (que, consequentemente, convencem os pais) em consumir séries, videojogos, novelas, etc… Ainda que, por muitas pessoas, se aconselhem mais os livros ou jogos de tabuleiro (de modo a fugir à tecnologia), a verdade é que, por qualquer que seja o meio, todos beneficiamos da procura por mais e melhor, em forma de fascinantes e envolventes histórias de qualquer estilo e género. Assim, nascem os serviços de streaming , que têm vindo a substituir a velha e “normal” televisão. Aqui, existe uma grande e acirrada disputa por satisfazer os desejos do público (na sua maioria jovem) que consome, na sua maioria, séries! A HBO e a Netflix têm vindo a crescer bastante em Portugal, oferecendo diversas novidades todos os meses e produções de cada vez maior qualidade! É no seguimento desta conversa introdutória que su

ESCRITA: ROSTO - Episódio 1

ROSTO – O que esconde o interior?  “Sou inútil sem aquilo que me faz útil!”- Manuel Janeiro Eram 3 da manhã. As pingas grosseiras e rudes de uma chuva infeliz revoltada, batiam-me no rosto em forma de agressão por coisa nenhuma! Eu dirigia-me lentamente, com passos de chumbo, para um edifício miserável onde não queria estar! A porta está quase sempre aberta, entrei! Lá dentro, o ambiente parecia totalmente desfasado da realidade daquela noite obscura. Os risos entoavam pelos departamentos adentro, as cadeiras arrojavam com felicidade e alegria, as teclas dos computadores produziam melodias de quem já não escrevia conscientemente e as garrafas brindavam-se umas às outras como se vida tivessem ganho! E eu entrei! De rompante, entro, esperando alguma reação por parte de todos. Houve um momento, um segundo, em que olharam para mim. Depois, retomaram o alvoroço novamente! Sentei-me na minha secretária, caminhei, olhando para o chão, até lá! Repentinamente, recebo um encontrão violento. Um d